Páginas

domingo, 30 de janeiro de 2011

Lugar de recém-nascido é no peito

O peito existe ANTES da chupeta. A chupeta é que simula o peito, e não o contrário!

Taí um tema que mexe comigo como poucos.

Já me disseram que consegui me entregar ao meu instinto ancestral de fêmea mamífera no processo da gestação e do parto. Porém, eu mesma acho cada vez mais que esta entrega só veio inteira um pouco depois: na amamentação.

Hoje em dia se recomenda – ao menos em tese – amamentar em livre demanda, ou seja, sem horários fixos, quando e enquanto o bebê solicitar, respeitando a sua individualidade. É o que prega o próprio Ministério da Saúde, seguindo a Organização Mundial de Saúde. Infelizmente, isso não impede que muitos pediatras insistam em recomendar intervalos pré-determinados mesmo que disfarçados de maior flexibilidade, além é claro de sempre existirem avós, tias, vizinhos etc. que se horrorizam com a voracidade e total ausência de horários dos nossos “pequenos selvagens”...

Mas afinal, como funciona na prática esta tal livre demanda?

Cena 1: o pequenino recém-nascido acabou de mamar faz 15 minutos, mas já está chorando de novo e só se acalma no peito... Mas já? De novo? “Ih, o seu leite está fraco, não está sustentando ele, acho que vai ter que dar complemento de NAN”.

Cena 2: a bebezinha de apenas 1 mês está mamando há quase 2 horas, já cochilou várias vezes mas não parou de sugar, e acorda sempre que a mãe tenta tirá-la do peito. “Ih, melhor dar logo uma chupeta, senão ela só vai querer saber de ficar chupetando (sic) no seu peito”.

Gente, o problema é grave, gravíssimo, e gostaria muito de aprofundá-lo, pois infelizmente tenho visto, todos os dias, mães que – por desconhecimento e insegurança, principalmente diante da chuva de palpites alheios – acabam tomando decisões que podem levar ao desmame precoce.

Não estou falando só da introdução da chupeta ou de leites artificiais, é mais do que isso: uma certa incompreensão do que realmente significa amamentar o bebê.

Amamentar é MUITO mais do que só o alimento!

Amamentar é o colo, o aconchego, o vínculo. O bebê muito novinho necessita imensamente deste contato, dessa proximidade física quase que contínua. A propósito, lembram dos links que já citei aqui sobre a exterogestação ou teoria do “quarto trimestre”?

O bebê recém-nascido passou por um choque tremendo, talvez o maior choque da vida humana: sair de uma experiência de plenitude absoluta, onde simplesmente não existe frio, fome, desconforto etc. para o mundo aqui fora, onde de cara o bebê tem que começar a lidar com todas estas sensações que até então desconhecia!
Então ele procura instintivamente o que lhe traz a memória daquele lugar de plenitude, que é o seio da mãe: seu cheiro, seu toque, seu calor – além da nutrição propriamente dita.


Acontece que ninguém, em nenhuma palestra sobre amamentação, nem nos grupos sintonizados com as opções humanistas, explica de verdade pras grávidas de primeira viagem o que realmente é a livre demanda bem no início. Ou pode ser que até tentem, mas nenhuma de fato interioriza aquilo até realmente vivenciar. E afinal, o que é a livre demanda? Livre é livre MESMO. Até existem bebês que se saciam rapidamente e não têm maior necessidade de sucção não-nutritiva, mas outros bebês (e pelo que tenho visto por aí, eu diria a maioria) podem passar HORAS no peito, aí dá uns 15, 20 minutos e lá está ele no peito de novo!!!!

E aí não tem jeito, vão chover os palpites!

É palpite de todo o lado de que o bebê tá querendo só “chupetar” (um termo abominável e nocivo, que eu decidi riscar da minha vida), que este choro é cólica, que é “manha” (outro termo que risquei da minha vida), ou pior, que o seu leite é “fraco”, é “pouco”, e por isso ele chora tanto etc. etc., e outros vários mitos que nas comunidades pró-amamentação sabemos que são totalmente infundados, pois simplesmente não existe leite materno fraco ou insuficiente.

Sim, o bebê chora, sim, o bebê quer continuar a sugar, e não, não é porque o seu leite é fraco ou pouco ou porque ele está fazendo “manha” e quer “chupetar”, mas simplesmente porque ele é um bebezinho muito, muito novinho, e que necessita exatamente disso: ficar grudado praticamente 24 horas no seu peito!!!

Mas imagina ceder a este instinto nos dias de hoje!!! É socialmente inaceitável, praticamente um tabu. Uma situação que incomoda demais pessoas ao redor, sejam familiares, amigos, vizinhos, colegas, pra não falar dos profissionais: pediatras, psicólogos... Mas o triste é que incomoda também muitas mães, cada vez mais...

Agora vou dar aqui meu depoimento pessoal:

Eu passei por esta crise!
Quando a Inaê tinha mais ou menos 4 semanas, eu me encontrava no auge da insegurança se estava realmente “fazendo certo” em deixar que ela mamasse à vontade, porque ela passava simplesmente o dia TODO grudada em mim. Quando dava, eu conseguia fazer o básico, e aí o básico é básico mesmo, tomar um banho, comer etc. (e não adianta se iludir: mãe de recém-nascido tem que rever prioridades, sim).

Mas aí eu parei, respirei fundo e tomei uma decisão libertadora pra mim: parar de pensar com a minha cabeça de "mulher do séc XXI", com agenda lotada, com intensa vida social, profissional, acadêmica, com mil e-mails pra responder etc. etc., e agir com meu instinto de bicho mesmo.

Foi quando eu decidi que seria tal qual uma
gatinha amamentando a cria recém-nascida. Já viram uma gata parida? Ela fica lá, estirada o dia todo, o dia todo mesmo, só de vez em quando levanta e vai comer algo e tomar uma água, aí já tá de volta aos filhotes. Isto é instinto, está inscrito profundamente na nossa essência mamífera.

E aí, depois que eu decidi que eu ia ficar “surda” aos palpites (inclusive aqueles travestidos de opinião profissional) e ia virar uma “gatinha”, aí eu relaxei totalmente e pude curtir intensamente esta proximidade sagrada com minha filhinha, que eu desejei e esperei tanto.

Mesmo no auge dos dias/noites (porque nessa fase tudo se funde) mais cansativos, eu sempre senti mais prazer e êxtase do que cansaço ou irritação. E se batia o cansaço mesmo, o segredo era ficar “namorando” minha florzinha, meu corpo se inundando de ocitocina, o hormônio do amor, meu coração e mente em conexão profunda com ela e com a maternagem.

Tem gente que pode pensar: “mas que maluquice!”

Então vou contar outra coisa: esta fase passa rápido. MUITO rápido.

Nenhum bebê de 4 meses pra cima quer ficar 24 horas grudado na mãe como um recém-nascido. Ou seja, passa tão rápido que daqui a pouco se tem saudades, e até um possível arrependimento, se não se curtiu este iniciozinho grudadinho como poderia (pra não falar no que nem sabemos que pode causar nos vínculos com o bebê...)

E aí sabem o que vai acontecer quando esta fase passar? O bebê, inundado de sentimentos de confiança e segurança e amor que a mãe passou pra ele, através da sua DISPONIBILIDADE INTEGRAL, que pra mim é a palavra-chave da maternagem neste período inicial, vai cada vez mais:

- espaçar sozinho as mamadas e soltar o peito assim que estiver satisfeito, porque a necessidade de sucção não-nutritiva vai ficando menor.

- o ambiente ao redor (que simplesmente inexiste pros bebês antes dos 3 meses) vai se tornar imensamente interessante, tanto que muitas vezes eles até deixam de mamar pra ficar prestando atenção no que está em volta.

- outros vínculos assumirão cada vez mais importância, a começar pelas pessoas que moram junto com ela, seja o papai, os avós ou outros.

- ele vai descobrir as mãozinhas (se não introduzirem a maldita chupeta, não cobrirem com luvinhas etc.), um maravilhoso sinal de desenvolvimento do bebezinho, e alguns podem até começar a sugar os dedinhos quando sentirem às vezes aquela necessidade. E, como me explicou a pediatra da minha filha – que felizmente me apóia em não usar a chupeta – este negócio de sugar os dedinhos vai passar também (se este é o caso do seu bebê, acredite: sugar os dedinhos é muito melhor pra ele do que chupeta, outro tema que um dia vou abordar por aqui).

Sobre possibilidades de escolha e a escolha pela entrega

Eu penso assim: se você tem esta possibilidade de ficar só por conta do seu bebê neste início, o que são 3 meses da vida fazendo o “sacrifício” (mas eu prefiro não ver como sacrifício e sim como alegria, prazer, amor incondicional) de ficar com seu bebê grudado em você? NADA. Não vai fazer a menor diferença pra sua vida profissional, social ou conjugal. Agora, estes meses iniciais de contato permanente com seu bebê vão ser tudo pra ele. TUDO.

Cada qual é que pode fazer suas próprias escolhas – e infelizmente, neste mundo desigual e injusto, muitas mães sequer têm esta possibilidade de escolha. Frequentemente, porém, é muito mais por pressão de persistentes tabus sociais sobre a maternidade que se busca um monte de argumentos pra justificar por que não se dedicar integralmente ao bebezinho neste período inicial.

E a propósito, na contramão dessa história: mesmo na ausência de condições ideais, quando se quer realmente, é possível garantir o aleitamento exclusivo e compensar a necessidade de proximidade intensa. Conheço casos de mulheres guerreiras que se desdobraram em mil pra isso, cada qual à sua maneira (e as maneiras são várias). Aqui vai minha admiração materna e eterna a essas mães!

O meu caminho, com todo respeito às demais escolhas e suas razões, foi o da entrega integral.

Sabem, sempre penso que minha filhinha nunca mais será pequenininha assim de novo, agora já está crescendo, vai crescer e crescer mais, depois vai querer ter o próprio quarto, aí pedir pra ir na casa das amigas, aí quando me der conta já estará – para meu orgulho – fazendo seus próprios vôos-solo.

E neste dia eu já terei esquecido (aliás, hoje em dia até já esqueci) do lado cansativo... mas me lembrarei para sempre do lado delicioso de ter um bebê recém-nascido grudadinho no peito!

PS: como eu digo sempre aqui, cada família tem seu próprio arranjo, o que dá certo pra umas não necessariamente vai funcionar pra outras. Feita a ressalva, aqui vão algumas informações práticas que funcionaram muito aqui em casa nesta fase inicial, espero que ajude:

- aproveitar pra ler muuuuito: me lembro de ficar lá com a Inaê grudadinha durante horas, lendo, lendo, lendo (inclusive relendo os dois volumes-tijolões de Musashi). Algumas conseguem até ficar mexendo na internet com o bebê mamando ou cochilando no colo (mouse sem fio ajuda muito). Aliás, aproveita mesmo, porque depois é difícil fazer isso, porque como eu disse antes, tudo em volta passa a distrair o bebê e aí ele não vai conseguir mamar se você estiver lendo!

- abusar do sling: dá pra usar desde o primeiro dia de vida do bebezinho, e é ótimo pro bebê ficar "pendurado" na mãe sem que ela deixe de fazer algumas outras coisinhas, e assim não se sinta tão cansada ou aborrecida de esperar acabar a sucção que ele eventualemente necessite (mas de novo, reforço o que disse sobre rever as prioridades)

- amamentar deitada e dormir com o bebê: todo mundo fala pra uma recém-mãe dormir quando o bebê dorme, nem todas seguem isso e, no entanto, é uma das dicas mais valiosas nesta fase inicial, e ajuda a passar de um modo muito mais gostoso e recompondo energias.

85 comentários:

  1. Nem preciso dizer que eu assino embaixo de tudo isso, né?!
    Amamentar é tudo de bom!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  2. Amei o texto! Estou grávida de 29 semanas e também quero curtir cada momento, o máximo de tempo possível, juntinho de meu Benjamin. Grande beijo e parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  3. Gabi, que bom que vc escreveu aqui exatamente o que eu precisava ler, ouvir, descobrir e refletir!...
    Não tem essa de "mãe experiente"... Bom, pelo menos não no sentido de "mãe-sabe-tudo" só porque tem múltiplos filhos... Cada bebê é único e cada vez que nasce um a mãe também é outra. Eu me sinto assim. Para cada um dos meus bebês as questões foram mudando, mudando o sentido, o significado...
    Enfim, então, estou nesse momento de compreender a necessidade do meu pequenininho de ficar comigo no peito mais tempo (e olha que eu acho ele até bem independente, pois tenho "tempo livre" de vez em quando, mesmo que ele ainda nem tenha completado 2 meses!!!!)
    Merci merci por suas palavras!
    Saudades e bjs carinhosos
    Maíra

    ResponderExcluir
  4. Nossa,era exatamente isso que precisava ouvir...
    Estava achando que meu bebe estava com manha, pois chora o tempo todo querendo peito...

    Obrigada pelas palavras... Agora vou dar peito sempre que desejar sem achar que é manha

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Estava achando que eu estava fazendo alguma coisa errada, pois meu bebe tem 18 dias e só quer ficar grudado no meu peito, é o tempo todo, não faço mais nada, por isso foi bom ler essas palavras pois achei que não era normal.

    Cristina - BH

    ResponderExcluir
  6. Ai meninas, que coisa mais gostosa saber que a partilha da minha própria experiência de recém-mãe tem sido válida também pra vcs nesse caminho nosso de empoderamento materno... A ideia foi mesmo falar principalmente aos corações e ao in stinto de outras recém-mãezinhas, pois quase ninguém fala realmente disso, e no entanto é praticamente o tema central dos 1os meses do bebezinho!
    Seguimos trocando nossas figurinhas maternas!
    Gab, mãe da Inaê

    ResponderExcluir
  7. Maravilhoso! Eu precisava mesmo ler isso, com todas essas palavras. Passei pelo mesmo processo de "estou fazendo certo?" e me afligi muito. Me preguntava como essa bebe iria sair dessa situação se eu não a ordenasse? As pessoas me perguntavam como eu iria fazer "as coisas" com essa bebe no colo. Que coisas? Cuidar da casa, da vida. Ora, não esperei até os 40 anos para resolver te-la com toda entrega para me preocupar com a casa, com as unhas...fechei meus ouvidos e me policiei muito e vamos mamar. Um dia ela vai descer do colo e nunca mais vai voltar. Parabéns por palavras tão certas etão lindas e inspiradoras. A Paula nasceu dia 21/03 e está com 8 semanas. bjs e felicidades.

    ResponderExcluir
  8. Tenho uma bebê de quatorze dias e estou neste dilema entre a rotina e a livre demanda... Seu texto está me fazendo repensar profundamente meus conceitos...

    ResponderExcluir
  9. Nossa Gabi, estou aproveitando agora que tenho um pouquinho mais de tempo livre para reler esse texto seu. Li esse texto pouco antes do nascimento da Iara e agora que ela já está com um pouquinho mais de 4 meses tomo ainda mais consciência do quanto ele foi importante para mim. Me lembrei da primeira semana do nascimento da Iara, quando até água e comida o Jeff dava na minha boca para que nossa linda sereia pudesse ficar grudadinha no peito o quanto desejasse.
    Para aquelas que ainda irão passar por essa experiência, aproveitem muito!!!! Passa rápido mesmo e o mais legal é ver como nossos filhotes vão amadurecendo de forma saudável e tranquila sempre que nos disposmos a doar para eles o que precisam.

    bjs

    bjs

    ResponderExcluir
  10. Noosaa!!! Exatamente o que acontece comigo. meu filho tem 40 dias e fica praticamente o dia todo grudadinho no peito, as pessoas dizem q o leite nao sustenta, etc,etc mas eu nao ligo continuo oferecendo a ele e passamos horas assim... muito bom o seu texto, eu ja estava questionando se meu principe nao estaria realmente se alimentando bem. Obrigada e parabéns. bjus

    ResponderExcluir
  11. Que alivio Gabi,meu pequenino hoje de 1 mes e 1 dia quer tá o tempo todo no seio sugando e quando tiro chora muito, parece que esta sentindo uma dor horrivél, mas quando coloco o seio para na hora.Realmente pensei que estivesse fazendo ''manha''>beijos e obrigada pelo seu texto.

    ResponderExcluir
  12. Nossa, eu fiquei surpresa e muito feliz com tudo q vc postou aki no seu blog. Por acaso, estou vivendo isso. Minha Melissa mama 24h/dia. Eu me sentia um lixo até ler suas doces palavras. As pessoas me cobravam (ah, se vc ficar acostumando ela assim, vc não fará mais nada em casa!)(Nossa, sua casas tá uma desordem!) (Vixe, vc precisa deixar ela chorar um pouco, se não, vc nao consegue tomar banho, comer...)... E realmente, só tenho tempo pra comer e tomar banho, e correndo, pq ela quer peito toda hora! É a unica forma dela dormir, ficar calma, não chorar... E fiquei tocada com essa idéia de que é um momento que eles estão tipo, implorando vínculo e afeto da mamae. Me senti arrependida por não ter compreendido isso antes. Vc é uma grande mulher e muito especial, pq teve esta postura por si só, mesmo com tudo pregando o contrário. Eqto outras mulheres como eu, precisam de ouvir isso de voce. Obrigada por tudo!!!! Bjs e que Deus abençoe vc e sua filhota!!!! Raquel Barroso Santos -rakel_brasil@hotmail.com

    ResponderExcluir
  13. Sem dúvida a melhor leitura para as inseguranças das mães de primeira viagem. Desde que minha filha nasceu as 24 horas do meu dia são para ela, para a amamentação, para o colo, o aconchego,a sucção não nutritiva, hoje ela com 2 meses e meio continua grudadinha comigo, porém como os palpites são muitos cheguei a pensar que eu estava estragando a minha filha, por permitir e atender a todas as suas necessidades. Muito bom saber que estou no caminho certo!
    Parabéns pelo texto, o melhor sobre o assunto.
    Carol Zarattini- carolzarattini@gmail.com

    ResponderExcluir
  14. obrigada por me fazer perceber que o que estou fazendo é o melhor para a minha pequena anita.

    adorei o seu blog!

    ResponderExcluir
  15. Marister Bitencourt25 de julho de 2012 21:16

    Cara Gabi, obrigada por compartilhar sua opinião e experiência...não sou mãe de primeira viagem, mas na minha primeira filha as necessidades eram diferentes desta agora e, confesso que quase cedi aos comentários e palpites, apesar de saber da necessidade de sucção e acolhimento que o RN tem. Mas felizmente encontrei o seu blog e renovei meus votos de mãe plena e desencuquei....mais uma vez obrigada!!!!

    ResponderExcluir
  16. Meu Deus, parece que você saiu de dentro da minha cabeça, disse tudo que eu penso e sinto, mesmo sem saber de onde veio (acho que é o tal instinto mamífero). Parabéns pela postagem, não faltou NADA, foi a postagem mais perfeita que li até hoje sobre amamentação. Fiquei com meu bebê colado no peito o tempo todo, fui muito criticada por alguns familiares, mas felizmente não cedi e minha mãe que é pediatra sempre me apoiou muito e iaao me dava forças pra não enlouquecer com os palpites de um e de outro! Vou compartilhar demais essa postagem, parabéns de novo, mais uma vez, virei fã!

    ResponderExcluir
  17. Excelente post. Isento de tábua, profundamente esclarecedor,vou mandar pra minha esposa

    ResponderExcluir
  18. Posso dar uma sugestão, ccolocaa uns botões de rede social no post,,, pois esse seu conteúdo precisa ser compartilhado em massa. Abs Anderson

    ResponderExcluir
  19. Puxa, que legal! Agradeço todos os que têm comentado aqui, e também todos que visitam sem comentar... Esse foi um depoimento bem pessoal, com uma reflexão "parida" ainda nessa fase tão visceral, então fico feliz de saber que tantos se identificam... da minha parte fiquem à vontade pra compartilhar.
    Pra mim foi particularmente uma surpresa a manifestação das mães com mais de 1 filho, pois achei que era uma situação mais das de 1a viagem, e também sempre me perguntei se tudo isso faria o mesmo sentido quando há um outro bebê ou criança que também demandam a presença da mãe. Não vivenciei isso (ainda?), mas suponho que tenha de novo a ver com rever prioridades, né? ;)
    Enfim, tem sido bem bacana revisitar este texto através de vcs, agora que já entrei em outro momento em que a demanda já não tá livre, que é a fase do desmame gradual (algo sobre o que ainda pretendo escrever).
    Mais uma vez grata pelos comentários, e sejam sempre bem-vindos!

    ResponderExcluir
  20. Eu e minha esposa estamos passando por isso com nossa pequena Emanuelle (13 dias de vida)estávamos muito preocupados, porém após estes esclarecimentos ficamos mais tranquilos, decidimos que a mamãe Simone ficará a disposição de nossa pequena princesa em tempo integral, e eu papai Roberto vou apoiar em tudo que elas precisarem.

    ResponderExcluir
  21. Infelizmente, apesar de concordar com a maioria do que foi escrito, deve-se ter cuidado com a amamentação excessiva, uma vez que o fígado dos bebés não está preparado para tanta proteína.
    Mãe de 2 crianças amamentadas até aos 2 anos, com muito amor e profissional de saúde com 15 anos de experiência em pediatria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário anônimo aí acima exemplifica bem o que acontece na blogosfera, por isso deixei aqui a título didático... É difícil fazer afirmações concretas sobre veracidade e intenção nesses casos, a começar pelo fato de que se trata de anônimo, e, sabemos, o anonimato na internet é escada pra trollagem.
      Mas vejamos: 1) faz afirmação usando expressão já enviesada ("amamentação excessiva"... mas, ora, como medir o que é "excessivo"?) e que vai contra o que se quis dizer aqui sobre livre demanda, já que não se trata de pré-determinações sobre quantidades, horários etc., e sim de sentir e observar o que vem do bebê e sobretudo de respeitar a relação mãe-bebê.
      Depois, 2) a afirmação de suposta cientificidade, mencionando uma associação entre amamentação e patologias no fígado, porém obviamente sem oferecer ou linkar pra qualquer evidência (desculpe, mas de novo, outro típico procedimento de troll).
      E por último, 3) "assina" com um suposto perfil que legitimaria sua opinião, tanto pela experiência como "mãe que amamentou até 2a" quanto como "profissional de saúde na área de pediatria", porém como é anônimo não temos como realmente saber, não é mesmo?

      Este é um bloguinho muito pequeno, de círculo quase familiar, e até hoje nunca senti necessidade de moderar comentários, e espero nunca ter que fazê-lo. Porém, o blog é evidentemente público, e aborda opções que costumam atrair trolls, como parto em casa ou esse tema da livre demanda nos meses iniciais de aleitamento materno. E troll funciona assim mesmo, escolhe uma discussão com maior possibilidade de polêmica, joga um argumento não pra realmente debater as diferenças, mas tão somente pra contrariar (e quanto mais o argumento vier revestido de uma suposta cientificidade inquestionável, melhor!), e aí depois se retira e nunca mais aparece, porque o objetivo nunca foi mesmo debater.

      Mas tudo bem, o objetivo aqui foi só alertar mesmo, mas não pretendo mais continuar, pois é uma não-discussão. E fica combinado: não alimentemos mais trolls!

      Quanto aos demais debates, verdadeiramente motivados, seguimos disponíveis, tá?

      Excluir
  22. Fantástico seu texto, esclarece muitas das coisas q nós profissionais tentamos passar paras as mães, mas nem sempre conseguimos, lógico. Pq vc está vivenciando isso agora, é muito mais fácil vc descrever como é esse momento. Parabéns!

    ResponderExcluir
  23. Meu bb tem 21 dias, sou mãe pela primeira vez e estava com os olhos inchados e coração apertado com o choro incontrolável dele. Só acalmava quando ficava no peito e depois no meu colo. Foi quando li seu texto nesta madrugada e ele acalmou meu coração. Obrigada pelas palavras. Depois que li ele ficou mais calmo e eu também. Agora vou virar habitué do seu blog. Bj nas crianças

    ResponderExcluir
  24. Nossa,como esse blog é interessante e como me ajudou! Acho que todas as mamaes deveriam ler... Fiquei até emocionada com tamanha sensibilidade, sabedoria e dedicaçao! Muito feliz em ler tudo isso! Minha filha é tudo pra mim, ela nao sai do meu peito e eu fico grudadinha nela mesmo. Confesso que fico cansada e andava cheia de duvidas de como lidar com tudo isso, mas ao ler seu blog me indentifiquei e me sinto melhor! Obrigada! Ass Aline Toledo mae da Eduarda Mariáh de 1 mês.

    ResponderExcluir
  25. Minha bebê está com 4 meses e sua amamentação é em livre demanda. Embora muitos me critiquem, minha filhinha está linda, esperta e muito saudável.
    Já estou com saudades só de pensar que passa muito rápido, que daqui há dois meses começam a introdução dos outros alimentos.
    Amamentar, é sem dúvida a maior forma de amor que trocamos. Aqui ela se sente segura, amada e eu me sinto amada e com o coração tranquilo, aqui no meu peito sei que está protegida.
    Embora eu tenha lido a gravidez inteira sobre a gestação, sobre o parto... Não li quase sobre amamentaçao, pois isso já era tão claro, uma decisão tomada, fui pelo instinto, me chateava por dentro pelos comentários, mas meu instinto falhas tão alto que fiquei cega e surda. Meu marido e meu pediatra me apoiavam. Como ler esse texto hoje aos 4 meses da minha filha ( ela está aqui mandando), é tão confortante! Saber que dar ouvidos só nosso instinto, o amor materno é sem dúvida algo que nós mamães de primeira, segunda ou quantas viagens for, devemos acreditar. Nunca gostei d acreditar ou seguir coisas sem investigar ou contrariar o que penso simplesmente porque alguém já passou por aquilo.
    Cada ser é único!!!

    ResponderExcluir
  26. *falhas /falava
    **mandando/ mamando

    ResponderExcluir
  27. Obrigada pelo texto tão esclarecedor! Estava muito preocupada porque minha Nívia chora desesperadamente até para trocar as fraldas e só se acalma com peito e estava muito confusa com todos os palpites listados por você (já ouvi todos e mais um pouco). Só o que incomoda mesmo é que nos raros momentos em que não estou amamentando meus mamilos ficam tão sensíveis que até o soutien de algodão machuca...

    ResponderExcluir
  28. sou grata a Deus por me mostrar esse blog,estava desesperada.estou com um bb de 45 dias q chora muito só se acalma em meu colo e mamando.confesso q pensei q meu leite n tava sustentando,cheguei até a introduzir LA a noite p/ ele dormir,mas n fazia isso todos os dias.Mas depois do q eu lí,ele só se alimentará de LM.é uma pena q n tive essa informação qnd tive minha 1 filha q tbm axei q o leite n estava alimentando e ofereci o LA.E por conta disso ela sofreu por 6 anos com tosse alergica...Vc foi usada por Deus...obg ahh qnd estava escrevendo esse comentario meu bb estava grudadinho em mim...rsrsr amo ser mãe

    ResponderExcluir
  29. Nossa eu estava me perdendo e depois de ler esse blog me achei de novo...

    Poxa, eu tive toda paciência do mundo com a primeira filha, ficávamos grudadas o dia inteiro...não dei LA pra ela (apesar q mesmo mamando LM ela tem tosse alérgica, então não se culpe, viu Anônima acima...rs)

    Agora com a rn de 1 mês, eu tô sem paciência...mas tb, não tem um ser q me estimule a amamenta-la...a família inteira e ate o marido fica dando palpite...é fome, é manha...Eu tô sem paciencia, mas amamento...porem vira e mexe dou uma mamadeira de LA...mas não me sinto bem em fazer isso...dentro de mim, fica algo me dizendo que não preciso dar complemento...Poxa, eu sei que não...a primeira não precisou, pq com a segunda vai precisar!!

    Ameeeiii esse blog...nossa tô até emocionada...bb tem q mamar mesmo...tenho q agradecer a Deus por ter minha querida filha e por poder amamentá-la...e outra coisa eu não sei dar mamadeira direito...eu sei AMAMENTAR!!!

    ResponderExcluir
  30. Esse post caiu do ceu, rsrs...
    Eu aqui toda grilada pensando meu Deus Matheus mama muito sera que pode passar mau... ah sei la tantas coisas passam por minga cabeça sou mãe de primeira viagem tenho minha neuras, meus medos...
    Amei seu texto e so veio complementar o que digo jamais vou negar o peito pro meu bebe enquanto e quiser...nao ha sono, cansaço que me faça deixar de alimenta-lo conforme sua vontade...amo o vinculo que temos e isso é so pra mim...obrigada pelo carinho de compartilhar suas experiencias...
    Bjoks

    ResponderExcluir
  31. Gente, obrigada por todos os comentários, de verdade. Fico muito emocionada de ver tantas mães resgatando as fêmeas mamíferas dentro de si e se entregando à construção deste vínculo com as crias nesta fase tão inicial, que passa tão rápido!

    Em breve pretendo escrever outro relato, agora como está sendo a fase inicial de semi-simbiose com o meu segundinho, em livre demanda total! Não sabia como seria, tendo uma mais velha pra cuidar... Mas felizmente estamos conseguindo!! Viva o leitinho e o colinho nesta fase-grude dos bebês recém-chegantes!

    ResponderExcluir
  32. Interessante depoimento, o mais legal é o compartilhamento de muitas mamães.Nosso pequeno está com 26 dias, também só fica sossegado no peito de sua mamãe, já estávamos começando a pensar coisas ruins. Vamos nos doar mais e mais.
    Boa sorte a todos e comentem, a experiência de todas vocês fortalecem as mamães

    ResponderExcluir
  33. Parabéns pelo blog! Sensacional! Minha filha está com 15 dias e sinceramente pensei e até tentei dar chupeta pra ela! Fiquei muito feliz quando ela recusou mas eu tentei dar. .. talvez pelo desespero de ver o choro da mina pequena e estar sempre pensando que não devia ficar com ela no peito o tempo todo! Vc mudou meus conceitos. Agora estarei disponível para minha pequena 24h/dia!!!! Só uma dúvida... as mamães... Com que idade os bebês começam a "sair", no sentido de diminuir a quantidade de tempo, do peito? Obrigada! Juliana (juliana.soares3000@gmail.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Juliana, obrigada pela visita! Sua pequenininha ainda é muuuuito pequenininha, tenha fé que todas as fases passam, sempre passam, viu? Porém, como sempre reforço aqui, cada serzinho é único, então temos que observar e respeitar as individualidades. Algumas crianças terão alta demanda de contato e atenção de suas mães, outras já por natureza delas com maior independência... Não crie expectativas em relação a outros, apenas observe o que vem da SUA bebê!
      Feita esta importante ressalva, eu dei nosso depoimento de como foi o processo de desmame da minha filha mais velha, aos 3 anos, e lá falei em termos bem gerais destas fases (recém-nascido, bebezinho, bebezão, criança com mais de 2 anos), espero que ajude pra te dar uma ideia...
      http://familianesguinha.blogspot.com.br/2013/07/relato-de-desmame-aos-3-anos-nossa.html
      Desejo ótimas experiências nesta e nas novas fases com sua filhinha!

      Excluir
  34. me sinto melhor depois de ler seu blog, estava desesperada, pois meu filho fez dos seios chupeta, muito bopm saber que não estou só por aqui... valeu! abracos

    ResponderExcluir
  35. Olá! Nunca li algo em q me encontrasse tanto.. Parece q a Gab veio me perguntar pelas situações q eu estava passando para então vir com um texto iluminado desse, pra me fazer refletir e me dar o apoio para continuar! Muito obrigada eh pouco! Gostaria de conhecê-la pessoalmente para dar um abraço beeeeeeem apertado em agradecimento... Enfim, por incrível q pareça, ainda me restaram dúvidas... Rsrs.. Tipo, no dia em q meu bebê ficou 2h direto, meu mamilo-areola ficaram tao doloridos q nao consegui deixa-lo mais.. O q fazer nessa situaçao? Trocar de peito? Tenho usado as conchas de amamentacao para diminuir o atrito dos mamilos, e as vezes uso pomada de lanolina tb.. As vezes, alivia.. E em relacao a colocar para arrotar: me falaram de tenho q ficar 20 minutos, mesmo q ele arrote antes, eh verdade? O q geralmente ocorre eh q ele sai sonolento do peito, aí coloco pra arrotar, e qdo ele está embalando num soninho gostoso, comecam soluços ou ele acaba evacuando, e ao trocar a fralda, acaba despertando de novo e voltamos à estaca zero.... Enfim, espero q de alguma forma, pais e mães q estejam precisando, sejam direcionados a este texto tão esclarecedor de dúvidas q nao passam por orientação profissional, mas sim por apoio psicológico e orientação de vida, q sao tao (ou mais) importantes nessa fase!! Muuuuuuito obrigada!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Flávia, que bom que se identificou com a história da minha filha mais velha. Mas sabe que cada criança é única e tem sua própria personalidade e necessidade? Se ela ficava literalmente HORAS pendurada no meu peito, o meu segundinho (agora com 4 meses) nunca ficou, ele simplesmente mama e não quer ficar, chega a rejeitar, pois prefere ser embalado! Então temos que entender a necessidade de cada um, e tbém todas as fases passam. Tenha isso em mente, se o seu bebê for muito pequenininho (recém-nascido). Porém não acho que precisa sentir dor, de verdade! Afinal, a relação é de mão dupla, né?
      Sobre arroto, eu só coloco bem no comecinho, quando eles ainda dão umas engasgadas de mamar deitado. Mas depois, não. Acho que desde que o bebê fez uns 2 meses já não ponho pra arrotar. E mesmo quando colocava, não deixava 20 minutos não, se arrotou, pronto! E se não arrotou, então é que não sentiu necessidade de arrotar!
      Ah, e sim, considero dormir MUITO importante (ainda vou escrever sobre minhas experiências e aprendizados positivos com o sono dos bebês aqui)
      Linda, siga seu coração, intuição de mãe é muito forte. Confie, você vai saber o que fazer e o que será melhor pra vc e o bebê!
      Um beijo grande e tudo de bom pra vcs nesta fase, curtam muito agora, que logo vêm as novas fases!

      Excluir
    2. Muito obrigada novamente! Esqueci de dizer, meu bebê está com 34 dias de vida.. Mas me disseram q os primeiros 3m são os mais cansativos, estou apostando q vai melhorar! Na verdade, o q mais me intriga por enquanto eh a noite, pois ele nao quer sair do colo.. Depois q mama, dorme tranquilo, mas se tento colocar no berço, logo acorda. Me falaram pra dar de mamar deitada, com ele ao lado. Vc acha perigoso de ele engasgar durante ou depois da mamada? Desculpe a sabatina!! Gde bj!

      Excluir
    3. Oi Flávia, neste mesmo texto aí acima eu sugiro pra mães tentarem a posição de amamentar deitada. E em outro texto, de 18/10/2010 (procure ao lado no marcador "Sono"), contei como colocar minha filha pra dormir num colchão no chão simplesmente MUDOU minha vida!
      Cada família tem seu próprio arranjo de sono, cama compartilhada, colchãozinho ao lado da cama etc. Pra mim, funcionou (duas vezes) ter o colchão no chão no quarto das crianças.
      Bom pra eles, melhor ainda pra mim, que ainda descanso junto quando faço dormir... Ah, mas se prepare: assim como a livre demanda, existe um mundo de palpites sobre deitar junto com o bebê... Siga seu coração e seja feliz!

      Sabe, atualmente, no meu segundo bebê, eu nem cogitei ter berço, que achei uma inutilidade (no meu caso). No primeiro mês ele ficou comigo na cama ou numa rede-berço, e depois, quando tinha menos de 2 meses, já passei pro colchão no chão!
      Desta vez, comprei logo um colchão do tipo solteirão, pra ficar mais confortável ainda pra mim... Aí, depois que ele adormece profundo, é só eu virar pro lado e pronto: ele já foi dormir no local em que vai ficar a noite toda, sem precisar transferir pra outro lugar!

      Venha visitar este blog depois, pois pretendo escrever sobre minha experiência de sono dos bebês, que tem sido muito positiva nos dois casos. Tenho certeza que estas práticas ajudaram nisso, não foi só sorte minha! Pra vc ter uma ideia meus filhos dormem cedo (entre 19 e 20h) e vão até 7h da manhã, o bebezinho só chama pra mamar sem nem abrir os olhos, e volta a entrar no sono profundo.

      Mamar deitado e colchão no chão é tudo de bom, pra mim e pra eles!

      PS: sobre engasgar, costumo colocar meu bebê da metade do corpo pra cima numa superfície mais elevada (tem que encontrar um travesseiro que seja mais adequado, eu tentei uns 2 pra ver qual ficava melhor). Com o tempo, como disse, nem precisa colocar pra arrotar. E também confie no seu sentido materno, pois quando estamos realmente sintonizadas, conseguimos identificar imediatamente qualquer ruído estranho, aí vc levanta ele rapidamente.
      E à medida que vai crescendo, o risco de engasgar vai ficando menor, e nem precisa mais de uma superfície elevada.
      Não se esqueça de colocar sempre seu bebê de barriga pra cima, como recomendam os especialistas em saúde, e seguir as regras de segurança pra fazer cama compartilhada quando amamentar deitada com ele. Vc pode ler mais sobre estas normas no link abaixo:
      https://pt-br.facebook.com/notes/solu%C3%A7%C3%B5es-para-noites-sem-choro/normas-gerais-de-seguran%C3%A7a-da-cama-compartilhada/301069299917486

      Beijos e desejo muito leitinho e muitas boas noites de sono pra vcs dois!

      Excluir
  36. Oi! Adorei seu texto, pois estou passando pela mesma situação com minha filha de 20 dias. é bom saber que é normal o bebê não desgrudar e que outras mãe passam por isso. Mas o que me chamou mesmo a atenção no texto é a comparação que vc faz com uma gatinha. Eu tenho uma de 14 anos, que me adotou como mãe e depois qdo ela teve seus filhotes, vi que ela se tornou uma boa mãe pois foi criada com muito amor por mim e minha família. Já havia nestes dias ate comentado com meu marido que em muitos momentos a minha gata de estimação me vem a memória, e guardada as devidas proporções, ela tbém me ensina e me inspira a ser mãe nesta fase em que o bebê é tao dependente. A gata está 100% disponível para os filhotes mamarem quando e quanto quiserem e ela sabe o momento e o jeito certo de desmamá-los.
    Meu marido sempre fala que a Natureza é sábia e que tudo na vida dá certo se fizermos aquilo que ela nos diz.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  37. simplesmente adorei...

    ResponderExcluir
  38. Olá, estou passando por isto neste momento, e este texto foi ótimo para reafirmar o que eu escolhi, embora os palpites sejam quase sempre os mesmos: cuidado, ele está fazendo o seu peito de chupeta, seu leite é fraco, está com cólica etc...

    Ótimo texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  39. Mamães de primeira viajem...leiam esse texto!!!!!
    http://www.lookbebe.com.br/2013/05/24/amamentacao-as-fases-do-leite-materno-e-a-livre-demanda/

    ResponderExcluir
  40. Oi gabi me acabei de chorar nos primeiros dias do meu bb, pensando que era fome e que meu leite não era suficiente. Hoje ele ta com 14 dias e fica direto no peito, dorme nobpeito, ainda me preocupo um pouco com relação ao peso, sua bebe ganhou peso legal? E vc ficou 3 meses direto assim? Tem dias que mesmo amamentando deitada eu não consigo durmir quase nada e fico meio como zumbi, rs.

    ResponderExcluir
  41. Incrivel ver seu post ajudando mulheres ja ha 4 anos! Pra mim foi uma ajuda essencial. .. sozinha em casa no pos parto, com visitantes que sempre tinham uma "dica" que normalmente era tirar o bebê de mim, afinal, como ele podia estar com fome de novo? E eu infantilizada e submissa sem saber como fazer, sem me conectar com minha cria e com o meu interior... até q li o post... e ele me empoderou! E me deu liberdade para amamentar como meu coração mandava! E me fez descobrir outros autores e enxergar a violência sofrida por mães e bebês quando alguma encantadora oferece a receita do bebe de televisão. .. agradeco muito por vc manter o blog... e hj apoio as mulheres a minha volta, libertando novas maes, como uma corrente de amor... um abraço enorme pra vc gab... foi minha doula virtual: -)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo, Monica! Gratidão por seu depoimento. Gratidão a todas as mães e pais que vêm aqui... Também me sinto abraçada em meus desafios maternos por esta poderosa corrente de amor (porque as fases passam, sempre passam, e novas fases vêm, com outros desafios!)

      Acho igualmente incrível, 4 anos e meio depois... Hoje, minha linda e sabida e divertida grandona de quase 5, que era este bebezinho intenso com altíssima demanda - então, pra mim foi mesmo o "choque" da livre demanda, logo com a primeira... Hoje com o segundinho, muito mais tranquilo, pela natureza dele, e também por mim, por eu já ter trilhado este caminho, junto com vcs, desde 2010... Mas pra outras, o "choque" da livre demanda veio num segundo filho, ou até depois... Cada um com sua história, sua experiência, que é única, e diferente inclusive com a mesma mãe e outro filho, mas o importante é que nesta diversidade de experiências temos nos fortalecido conjuntamente e apoiado as decisões que fogem dos padrões hegemônicos que aí estão...

      Beijo grande pra todo mundo e um especial pra vc Monica!

      Excluir
  42. Extremamente esclarecedor pra o que a recém-mãe aqui está passando. Grata

    ResponderExcluir
  43. Extremamente esclarecedor pra o que a recém-mãe aqui está passando. Grata

    ResponderExcluir
  44. Amei e me emocionei, meu bebe tem 18 dias, com 5 dias fui ao pediatra o qual me indicou a complementacao com o leite nan, quase chorei no consultorio mesmo. Como meu leite demorou a descer, meus seios estavam doloridos, sangrando, e duros, mais mesmo assim ignorei a orientaçao da pediatra e continuei com a amamentação, quando as coisas foram se encaixando vieram os palpiteiros de plantao, para dizer que meu leite era fraco e que meu bebe estava passando fome (dizer que ele estava passando fome foi o mesmo que me cortar, partiu meu coracao). Explodi e mandei todo mundo ir embora, e depois chorei... chorei muitooo. So me acalmei um pouco pois minha mae dizia "vc nao pode ficar assim diminiu a producao do leite". E o que eu mais queria era amamentar meu filho. Assim comecei a busca - de quanto em quanto tempo o bebe deve mamar- como saber se ele passa fome - como saber se meu leite é suficiente - existe leite fraco. Nessas pesquisas encontro seu lindo relato, e gostaria muito de te agradecer, pois em, 18 dias passei por tantas opinioes negativas e pertubadoras para a nova mamae, e seu texto veio como uma luz, para nao desistir do nosso momento, tao lindo, a entrega para o amor.

    ResponderExcluir
  45. oi, meu bebê está com 33 dias e mama o tempo todo, eu acho q meu leite é pouco porque não sacia. E meus peitos nunca enchem de vazar. E depois de 3 horas no peito depois se mamar os dois peitos ele mama o complemento desesperado. Então porque não sacia??? Se passa tanto tempo no peito. Tudo lindo o q VC escreveu, mas aqui não funcionou. :(

    ResponderExcluir
  46. oi, meu bebê está com 33 dias e mama o tempo todo, eu acho q meu leite é pouco porque não sacia. E meus peitos nunca enchem de vazar. E depois de 3 horas no peito depois se mamar os dois peitos ele mama o complemento desesperado. Então porque não sacia??? Se passa tanto tempo no peito. Tudo lindo o q VC escreveu, mas aqui não funcionou. :(

    ResponderExcluir
  47. Olá Gab, muito obrigada pelo seu relato! Nem preciso relatar o quanto ajudou a me desanuviar o coração de tanta apreensão desde que meu Miguel nasceu. Ele já saiu do meu ventre sabendo mamar, a enfermeira neonatal ficou boba em como ele tem a pega perfeita desde sempre. Mas indo pra casa percebi que ele queria mamar o dia todo! E isso ia contra tudo que aprendemos sobre bebês, do tipo mamadas de 3 em três horas, não pode dormir no quarto dos pais, tem que dar chupeta, etc. Eu faço TUDO ao.contrário: fico com ele o dia todo pendurado, ele dorme comigo e meu marido na cama, mama deitado sem arrotar, e com isso tem noites que deitamos 10h da noite e levantamos 12 horas depois felizes e descansados. Estar com meu filho pendurado em mim nao me aflige, e sim a perspectiva de voltar ao trabalho e ele não evoluir nessa necessidade, isso sim vai me matar. Não sei se vc passou por isso ou outras mães, se vocês tiverem alguma dica nesse aspecto ou experiência para compartilhar, iria ajudar a mamãe aqui a ficar mais tranquila. Assim como vc sou alvo das mais ferinas criticas, mas como bem colocado estou seguindo meus instintos que dizem que assim meu filho vai crescer mais feliz. Hoje ele tem 29 dias de nascido. Muito obrigada mesmo pelo post, hoje não há nada mais esclarecedor que ele na net por enquanto. Esse conteúdo é de uma importância emocional incalculável, e tenho certeza de que nos momentos mais sombrios de dúvidas e apreensões voltar a lê-lo nos recarrega das forças que necessitamos para seguir em frente sem fraquejar. Beijos no coração.

    ResponderExcluir
  48. Oi eu tenho uma linda mocinha que quer cochilar e mamar o dia todo intercalando os dois eu não LIGO o meu medo é ela acostumar e quando voltar a trabalhar se ela pegar esse costume? A pediatra falou que qualquer choro a gente da o peito por isso acostuma, minha princesa vai fazer dois meses

    ResponderExcluir
  49. Perfeito adorei. Tudo que precisava Lee nesse momento

    ResponderExcluir
  50. Nossa mãe!! Obrigada pelo texto. Jesus te abençoe pq foi como uma luz pra mim nesse momento; e quer saber? Vou virar uma gatinha sim é dar pra minha filha aquilo que posso em forma de amor e carinho... 24h por dia mesmo, digam o que quiserem dizer!

    ResponderExcluir
  51. Perfeito seu texto...Eu tenho uma bebê de um mês e estava triste pensando que eu estivesse fazendo errado deixar ela mamar o dia todo,me sinto feliz por saber que não.. Obrigada por compartilhar tão bela experiência.

    ResponderExcluir
  52. Amei o as informações e me fez ver de um ponto de vista muito mais lindo essa dadiva que é amamentar, meu bebe esta com 1 mes e um dia e pensei estar fazendo errado amamentar quando ele quer e vi que nao, me sinto ate mais tranquila porque o seu ponto de vista vai ajudar muitas mamãe de primeira viagem como eu rsrs

    ResponderExcluir
  53. Nossa gente..juro li chorando seu texto! Vou desabafar posso? Sou mãe de uma princesa linda! Ela está hoje com 42 dias! Eu sempre sonhei em ser mãe...mas nunca conseguiria de modo tradicional...foi um longo caminho e dolorido até conseguir engravidar por fertilização in vitro! Passei muitos problemas durante minha gestação...muito nervoso quase a perdi. Agora após seu nascimento me deparei com um início de depressão...e minha filhinha só quer ficar no seio o tempo todo..juro por Deus sem exagero.. é 24 horas mesmo ou entra em desespero..ela é super nervosa...chora perde o fôlego fica rouxa! Eu fui ao médico e me mandou deixar ela chorar e não dar o seio pois ela ja estava fazendo manhã ee manipulando...que se eu sedesse a tornaria um adulto inseguro e totalmente dependente de mim...fora minha sogra falando a mesma coisa..dando pitaco em tudo...que tenho que dar o bico de todo jeito..minha mãe não d pitaco mas fala tambem que tenho que deixar chorar...e eu super estressada com tudo isso! Hoje ao procurar técnicas para o bebê parar de chupeta o seio encontrei seu blogue..e juro tomei minha melhor decisão....minha filha vai ficar no seio as 24 horas...quero ela bem
    .segura..e com seu depoimento vi que é minha melhor decisão... obrigada
    Kelle kelleog@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outra dúvida..ela no seio assim o tempo todo..não corre o risco de ela ter fome e não ter leite no seio pq não deu pra juntar?

      Excluir
  54. Muito obrigada por seu maravilhoso relato! Me ajudou muito. O li quando estava prestes a ceder às pressões de meus pais e quase dei chupeta pra minha baby linda. Ela tem três semanas e só dorme no peito. Minha mãe diz que quando eu voltar pra casa (pois estou na cada dela até me recuperar do parto) não três tempo pra nada e que ela terá dificuldades quando precisar ficar sem mim. Quase cedi, mas isso não acontecerá outra vez. Com se depoimento percebi que não é apenas a minha bebé que requisita o peito quase o tempo todo. De todos os textos que li sobre amamentação o seu foi o mais pessoal e completo. Obrigada pelo apoio!

    ResponderExcluir
  55. Muito obrigada por seu maravilhoso relato! Me ajudou muito. O li quando estava prestes a ceder às pressões de meus pais e quase dei chupeta pra minha baby linda. Ela tem três semanas e só dorme no peito. Minha mãe diz que quando eu voltar pra casa (pois estou na cada dela até me recuperar do parto) não três tempo pra nada e que ela terá dificuldades quando precisar ficar sem mim. Quase cedi, mas isso não acontecerá outra vez. Com se depoimento percebi que não é apenas a minha bebé que requisita o peito quase o tempo todo. De todos os textos que li sobre amamentação o seu foi o mais pessoal e completo. Obrigada pelo apoio!

    ResponderExcluir
  56. Amei o post,cansada de tantos palpites toscos...

    ResponderExcluir
  57. Amei o post,estou cansada de comentarios toscos,de q meu leite nao serve...

    ResponderExcluir
  58. Amei o post,estou cansada de comentarios toscos,de q meu leite nao serve...

    ResponderExcluir
  59. BENDITA HORA QUE CLIQUEI NESTE BLOG, BENDITA A MÃE ESPECIAL QUE ESCREVEU ESSE TEXTO!!! CHOREI E ME SENTI CULPADA POR ATÉ TER FALADO GROSSO COM MEU BEBÊ.. QUE HORRÍVEL EU FUI, NOSSA. AGORA ESTOU AOS PRANTOS, COM MEU TESOURO NOS BRAÇOS ELE MAMOU BASTANTE E ESTÁ DORMINDO PROFUNDAMENTE AGORA. NÃO SEI COMO SERÃO MEUS PRÓXIMOS DIAS, JÁ QUE MEU MARIDO ME COBRA MUITO AS TAREFAS DA CASA... NÃO SEI COMO FAREI, MAS ME SINTO MUITO MELHOR MESMO!!! MUITO OBRIGADA!!!
    DEUS ABENÇOE SEMPRE SEMPRE!!! A VOCÊ QUE ESCREVEU E A TODOS QUE VIEREM AQUI!!!
    CATARINA- MÃE DO LOURENÇO

    ResponderExcluir
  60. Texto maravilhoso, li muito a respeito do assunto, mas esse texto realmente tocou meu coração. Miguel mamava o dia todo eu sabia que a livre demanda era o correto. Ainda sim eu precisava ler um texto assim, pois depois da leitura tudo passou a fazer mais sentido e deixei de me preocupar com o restante das coisas ( todas as coisas). Texto lindo!!! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  61. Amei o Post,é tudo o q penso! Não vou fazer o q os outros acham q devo e sim o q meu instinto natural d mãe, e ficar c minha filha grudada no meu peito. Tenho um menino de 14 anos q não fiz nada disso é hj me arrependo muito pois eles crescem muito rápido e quando a gente vê, já cresceram e não precisam mais da gente.

    ResponderExcluir
  62. Que legal, quanta gente, cada qual com sua linda e única história de uma relação intensa com o bebezinho chegante!
    Agora que esta bebezinha mamona que aparece nas fotos é uma ávida leitora de 6 aninhos, que tudo quer saber, vou mostrar esta postagem e os comentários pra que ela leia sozinha... ela que me tornou MÃE de verdade ao me desafiar com sua intensa voracidade de viver.
    Sinto muita sinceridade na emoção de cada palavra comentada aqui - a mesma emoção com a qual escrevi este texto tantos anos atrás, me alimentando e reforçando tudo que acredito de novo.
    Agradeço todo mundo, aprendo a cada vez com cada uma de vocês... que aventura incrível e inesquecível é amamentar e maternar uma criança!

    ResponderExcluir
  63. Eu tenho três filhos o mais novo tem 20 dias e também quer ficar 24hs no peito, nos 2 primeiros dias eu ficava muito irritada, foi ai que percebi que minha irritação fazia mal pra ele. Que afinal ele só queria ficar perto de mim,colinho mesmo, amor de mãe. Então decidi que nada é mais importante que esse momento que passa tão rápido,e deixar de lado opinião alheia e só amar meu bebe e os outros filhos também, agente fica horas deitados na cama os quatro só amando e admirando o nosso princepe lindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindeza!!! Por aqui vamos curtir esse amor coletivo também, com uma nova criaturinha que chegará em breve, pra completar um triozinho também! <3

      Excluir
  64. Lindas palavras.
    É uma grande verdade que os pequenos querem e precisam ficar grudadinhos na gente.

    Eu infelizmente sinto muita dor ao amamentar, já cheguei a pensar em desistir muitas vezes. Emocionalmente é muito triste, porque é o que ele mais precisa e eu sinto tanta dor.

    Hoje ele está com 45 dias e cada dia é um dia. Uns melhores e outros piores, o que me motiva a continuar persistindo é olhar pra ele e ver o quanto o leite materno faz bem para o seu desenvolvimento.

    Mas para mim as lágrimas caem no rosto, muitas vezes... Queria poder sentir esse romantismo lindo durante a amamentação, como você menciona.

    Bjs ��

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, de fato não se pode haver uma super-idealização. Cada uma tem uma experiência diferente com seu/sua bebê. Porém, de fato, sentir muita dor não é normal. É preciso verificar se está com fissura, fungo ou algo que possa de fato estar causando tanto dor. A pega correta do bebezinho recem-neascido no peito não é pra doer, é bom conferir também se tá pegando ok. Força por aí! Com carinho, Gab

      Excluir
  65. Você ficava com ela 24 hs no peito?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece incrível, né? Mas isso é muito no comecinho. E tb, acho que uma coisa interessante que aconteceu foi, no momento em que resolvi me entregar mesmo, e relaxar e desencanar pra viver esta fase plenamente, rapidamente fomos desenvolvendo outras formas de vínculo, e esta fase inicial passa e outras vêm!

      Excluir
  66. Que ótimo esse texto! E olha que eu tinha acabado de ler uns blog incentivando a chupeta, é mole? Que bom achar na internet coisas que fazem sentido.... Vou continuar acompanhando esse blog... Tô com uma bebê de 21 dias, vou super me manter grudadinha nela... É uma sensação maravilhosa, o amor aumenta a cada segundo...

    ResponderExcluir
  67. Muito obrigada por salvar minha terceira noite com meu bebê. Foi reconfortante e me acalmou profundamente. Um Norte. Parei de chorar a 01:28 da madrugada e o bebê adormeceu em meus braços. ��

    ResponderExcluir
  68. Olá! Meu filho completou 1 mês, e desde os 15 dias de vida quer ficar grudado 24 horas no peito. São poucos os minutos que tenho para fazer alguma coisa, os banhos são curtos, a alimentação apressada, tudo mudou com a chegada do meu pequeno. Entrei em desespero, os primeiros dias chorei muito e tentava vários métodos que encontrava na internet para tentar acalmá-lo​ e fazer ele esquecer um pouco o peito e dormir, por várias vezes coloquei a chupeta na boca dele mas ele não aceitava e nem meu esposo mesmo permitia que eu desse chupeta. Em uma de minhas buscas na internet encontrei o seu texto, suas palavras me causaram grande impacto e reflexão, então salvei o link do texto e sempre que fico triste ou penso em desistir da amamentação leio o seu texto e encontro forças novamente para seguir. Muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, o mantra da maternidade é: "tudo passa". Cada fase que parece insustentável, a gente no limite da exaustão, mas no fim passará e uma nova fase sempre chega. É que quando estamos dentro dela fica difícil de acreditar, mas confia, vai dar tudo certo. Bjs!

      Excluir
  69. Gab, bom dia! Parabéns pelo excelente relato! Estamos passando pela mesma situação. Nossa pequena, quando acordada, fica o tempo inteiro no peito sem exageros. Quando a tiramos, ela chora de forma bastante estridente. Você lembra com quanto tempo essa fase passou no seu caso? Desde já, obrigado!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, acho que com uns 4 meses já eram outras pessoas... Na verdade, meu segundo até bem antes disso, o lance dele era mais ser embalado. A primeira que era peitólatra (e até hj ela é mais chamegosa e grudenta, é dela mesmo). Acho que aos poucos vc já pode ir fazendo umas dicas pra que ela fique de boa sem peito, mas tem que ir experimentando, cada serzinho é único e responde diferente!

      Excluir
  70. Obrigada por esse relato! Me ajudou a ter certeza de que estou fazendo certo me dedicando totalmente ao meu bebê e que não tem problema nenhum ele ficar o dia inteiro grudadinho no meu peito. Só fico preocupada pois acho que ele dorme pouco.

    ResponderExcluir
  71. Oi Gab! Li seu blog procurando informações sobre essa situação de mamar tanto assim... sou gineco obstetra e super defensora da amamentação! Não sabia que seria tão difícil... na teoria parecia tudo tão fácil! Nos primeiros dias no hospital, introduziram o NAN e minha bebê não queria o peito de jeito nenhum! Eu chorava dando leite de seringa pra ela e meu peito escorrendo leite! Foi uma fase difícil, mas quando ela pegou, pegou MESMO!! Exatamente o que você escreveu... acontece que nem na faculdade, nem nos cursos de amamentação falaram sobre isso! Tentei me informar com pediatras e também não souberam me dar uma explicação clara!! Você tem o dom de esclarecer as mães e deve ter evitado muitos desmames que de outra forma ocorreriam! Parabéns! Agora vou levar esse seu depoimento aliado a minha experiência para as minhas pacientes! Muito obrigada!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...